Guia de Filmagem para Casamentos (Parte I) - Casando Sem Grana
Planejamento

Guia de Filmagem para Casamentos (Parte I)

Olá minhas queridas!

Hoje postarei um super texto originado de um bate-papo com minha grande amiga Jane sobre vídeos de casamento. Fato é que, muitas de nós temos em nossa mente a imagem de vídeos de casamentos de nossos pais ou de terceiros, dos quais bocejariamos e acharíamos ultra bregas assistindo-os. É ou não é verdade? Eu mesma já morri de medo de que uma amiga de minha mãe recém-casada colocasse o vídeo de seu casamento para assistirmos em uma visita matinal a sua casa. Ooooouuunnn tortura!! E se ela contasse detalhes a detalhes em cada cena então…

Pois bem. Jane como mocinha recém-casada e esperta que é, criou este Guia de Filmagem para nós com dicas e idéias antes jamais imaginadas para tornar aquele vídeo que só seria lindo para você em uma agradável recordação para todos, como as fotografias, por exemplo. Vamos a ele?!

***
Porque os vídeos casamentícios são chatos?

É fato: Grande parte das pessoas acha os vídeos de casamento chatos. Quem casou deixou o vídeo empoeirando em algum canto sem nunca tê-lo visto. Quem vai casar já cogitou em algum momento não fazê-lo para economizar. Mas porque os vídeos de casamento são chatos? Culpa dos produtores ou dos noivos? Resposta: Dos dois! Isso mesmo!

Para entender o raciocínio, basta pensar no cinema tradicional: o que faz um bom filme de romance ser bom? Qual é o processo para ele ser bom?

1. Um bom roteiro, um bom conceito
2. Um bom planejamento
3. Uma boa direção
4. Bons atores
5. Boa edição (que tem a ver com o roteiro)
6. Um bom produto final

Percebem que vai muito alem do “Faz um filme aê”? Então vamos por partes:

1. Um bom roteiro, um bom conceito.

A responsabilidade deste item é dos dois: Noivos e produtores. Os noivos devem propor o que querem, os produtores devem colocar esta idéia em prática. Claro, nem todo mundo sabe – e nem tem que saber – o que é ou como se faz o roteiro. Isso é tarefa do produtor, que deve orientar os noivos nesse sentido, dar idéias, fazer propostas. Os noivos, em contrapartida, devem se envolver. Buscar referências, mostrar o que gostam ou não gostam, contar suas histórias, detalhar o que vai acontecer no casamento DE ANTEMÃO, ressaltar os detalhes e pontos altos a serem filmados com carinho especial. Vai ser um vídeo com cara de cinema de Hollywood? Vai ser um programa de entrevistas estilo Programa Amaury Junior? Vai ser um vídeo com cara de vídeo caseiro filmado em Super 8mm?*. Vai ser um vídeo clip musical estilo MTV? Vai ter um ritmo mais rápido e moderno, ou mais calmo e romântico? Vai ser daqueles vídeos estilo Programa Sílvio Santos, com quadradinho no canto superior da tela mostrando o noivo chorando
enquanto a noiva entra?

As opções são muitas! E devem ser colocadas desde a primeira reunião com o produtor. Caso contrário, você vai ter aquele vídeo que todo mundo acha chato por um motivo só: Ele vai filmar as coisas padrões, os ângulos padrão, as cenas padrão, e fazer a mesma edição padrão que faz
para TODOS. E o seu vídeo vai passar justamente aquela sensação de “vídeo-de-casamento-é-tudo-igual.

Roteiro: Claro que vocês não precisam saber o que é e como se faz. Pensem que o roteiro conta uma história: A história do dia do casamento de vocês. Tem começo, meio e fim. Não é um grande apanhado de cenas perdidas. Como vai ver? Não tem idéia? Coloquem isso diante
do produtor para que ele pense a respeito junto com vocês. Teoricamente, ele tem que saber o que é e como se faz um roteiro. Se ele for um bom produtor de vídeo, claro.

2. Bom planejamento. Responsabilidade: noivos e produtor.

Essa parte é uma das mais importantes. Planeje! Escreva o que vai acontecer no dia. Escreva o que vai acontecer de mais importante. Mostre como você quer as cenas que mais falam com você. Você quer os votos em close? Você quer uma cena da assinatura bem detalhada? Você
vai fazer alguma declaração, alguma surpresa? Deixe os produtores saberem o máximo possível do que vai acontecer na festa. Faça isso por escrito.

Depois planeje o seu produto final. No caso, ele será um DVD, certo? O que você quer nele? Você REALMENTE precisa de “material bruto na integra”? Se precisa, onde ele entra? Pense nos DVDs de filmes normais: eles tem trailer, filme e uma coisinha chamada “extras”, sensacional e que não era muito presente nas antigas fitas de VHS. Seu trailer não precisa ter mais de 1:30min. Seu filme editado não precisa ter mais de 15 minutos (na minha opinião). O resto das “Íntegras” jogue nos “extras”! Ou você já viu alguma cena de casamento emocionante no cinema que tenha mostrado a cerimonia inteirinha 100%?

3. Boa direção. Responsabilidade do produtor.

Se todos os passos anteriores foram bem planejados, cabe ao produtor dirigir as filmagens para alcançar o produto final do jeito que vocês planejaram segundo o roteiro combinado. Tendo em mente o que você vai querer no final, ele vai direcionar as filmagens de forma a conseguir
material para isso.

***

Curiosa para ler o resto? Então não perca na terça-feira o termino desta postagem. Avise as amigas e leiam tudo para não ficar nenhuma dúvida no momento de decisão sobre este quesito.

*E para quem ainda não tem idéia do que é uma filmagem em Super 8mm, irei dar primeiro um exemplo de uma filmagem com ela e no próximo post uma filmagem que simulou o uso de Super 8mm com outro efeito de filmagem chamado Old video.

Beijos!

Leia Também

[176171]
[176171]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d