Casamento real e econômico - Simone e Lucinaldo - Casando Sem Grana
HISTÓRIAS REAIS

Casamento real e econômico – Simone e Lucinaldo

Bom dia alegria!

Para começar sua segunda-feira na maior alegria, temos casamento real da Simone, uma noiva Paraense tão sorridente e linda que ao ver suas fotos antes da publicação, me deu uma vontade de casar  no Pará tããããooo graaaaande!!!

O céu, o sol, o vento, os noivos, o Rio Capim e tudo estava tão perfeito que você jamais diria que ela conseguiu economizar tanto. Você também não faça idéia da lição de vida sobre simplicidade e felicidade que vai aprender hoje.

Mas como sempre, eu vou deixar a noiva contar como foi. Divirtam-se =)

***

“Olá Sammia,
Depois de vários dias cá estou para relatar meu casamento (leia-se uma nuvem de inspiração paira sob minha cabeça).
Somos do interior do Estado do Pará, e talvez por conta disso, trazemos conosco toda a vivência de coisas simples, de tomar banho de rio, comer peixe assado com farinha de mandioca…Coisas de Paraense, com descendências indígenas e quilombolas. Nosso casamento não foi uma super-produção-casamentícia e isso (nem de longe) me deixa triste ou decepcionada. Casamento por aqui, capital Belém e adjacências, é sinônimo de tafetás, brilhos e laquê.

Para olhar nosso casamento é importante considerar nosso estilo. Então, como já disse anteriormente, somos pessoas simples, de hábito simples, gostamos de nos divertir, de música, estar com amigos, de pessoas queridas, da família, etc.
Desde o início, quando pensamos “vamos casar?” a idéia era exatamente essa: Reunir amigos, família, música e nos divertir…. E sim, casar 😉 E minha gente, eu pensei nisso visitando blogs e comunidades de casamento, por que complicar tanto? Portanto, foi tudo muito simples de verdade.

Abre parênteses: Penso EU que, é totalmente desnecessário se descabelar por bobagens. Tudo bem que você está vivendo um momento único em sua vida, está super sensível, tem muitas coisas a resolver e que você sonhou com isso a vida toda (eu não sonhei, aconteceu e agradeço a Deus por ter colocado uma pessoa tão especial em meu caminho e ter me proporcionado um momento tão singelo), mas me diga… É mesmo necessário chorar por não ter conseguido aquela toalha de mesa, aquelas forminhas de papel, aquela cor de esmalte?? Sinceramente, muitas vezes eu achei patético. Podem me chamar de grosseira, insensível e blá blá blá… Fecha parênteses.

Parti para as pesquisas, conheci o mundo dos blogs casamentícios, me apaixonei por eles, criei o nosso blog e depois de casada não paro de olhar as atualizações do bloguinhos que aprendi a amar (como o CSG). Copiei, adaptei, colei, consegui executar algumas coisas, outras não…

Mas, vamos lá aos detalhes.

– Local da Cerimônia + Recepção: Ilha do Tóyo, São Domingos do Capim, Pará
Tem uma parte coberta e toda área ao ar livre e às margens do Rio Capim. Os planos eram que a cerimônia fosse exatamente às margens do rio, mas… Esta época do ano (janeiro-abril) chove bastante por aqui, então, antes do horário marcado (11 horas) para a cerimônia choveu e a grama ficou uma beleza toda cheia de lama. Solução: Mudar a cerimônia para a parte coberta onde estavam as mesas.

– Flores, decoração e afins
Com um local desses não precisaria de mais nada, a beleza já estava toda lá, por isso, não precisaria de malhas, flores, etc… Até mesmo porque eu acho muito brega quilos de flores, malhas, vidros… E alguns olhares (pessoas que trabalham com decoração, cerimonialistas e afins) diriam: “Isso não é decoração! Aí não tem nada!” Mas enfim, era isso que queríamos. Então, como decoração, além do Rio Capim lindo lá atrás, tivemos cestinhas compradas no Ver-o-peso (feira livre famosa de Belém), flores coletadas no caminho até o local, centros de mesa de chita, algumas lanternas japonesas, toalhas brancas, cadeiras de plástico (sim sem capa) e só.

– Bolo, topo de bolo e doces
Bolo branquinho de três andares, com pasta americana e algumas florzinhas. Topo em biscuit com vários detalhes, meu sapatinho vermelho, o noivinho de cocar (não dá pra ver mas ele tinha até a tatuagem no pé como meu marido). Quanto aos doces foram simples do jeito que todo mundo gosta e meu bolso podia pagar. O detalhe dos doces foram as forminhas feitas pela minha mamãe, o molde foi copiado do mundo blogueiro casamentício.

– Vestido e sapato
O modelo foi uma montagem, um copia e cola, um adapta daqui, ajusta dali e BUM: Saiu esse modelo, simples, curto e rodado do jeito que eu queria. E o sapato? Ora, ora eu viciada em Melissa ia perder a oportunidade de casar usando uma? Nãããão! Na verdade eu havia comprado outra sapatilha (que também usei na hora de me jogar na pista), mas semanas a Melissa estava lá, não teve jeito, comprei para usar no casamento.

– Cabelo e maquiagem
Cabelo simples, sim, sem nada, sem coque e nada. O detalhe fica por conta da voillet feita por mim. A maquiagem feita pela minha amiga e madrinha.

– Roupa do noivo
A cara dele: Bata branca e calça confortáveis. Com sandália de couro. Confortável idem.

– Comedorias e bebedorias
Aqui no Pará (tradicionalmente) festa boa é que tem comida boa. E comida boa é sinônimo de muita comida. Portanto, boa parte dos nossos gastos foram com a comida. E por aqui não tem essa de docinhos e petistos não. É C-O-M-I-D-A de verdade. Tivemos pato no tucupi (prato típico da região), salada tropical, frango com legumes, filé ao molho madeira, arroz, farofa e de sobremesa mouse de maracujá com chocolate. Quanto as bebedorias tivemos: Cerveja, água, refrigerante e um serviço de drinks que fez bastante sucesso.

– Lembrancinhas
Foram caixinhas de miriti, com bem casadinhos de cupuaçu e sementes de mogno (falei sobre as lembrancinhas aqui)

– Música
Um dos itens mais importantes para nós. O noivo, padrinhos e daminhas entraram ao som de “In my place” do Cold Play na versão The String Quartet e eu entrei ao som de “Elephant Gun” do Beirut apenas a parte instrumental, nossa primeira dança foi ao som de “Wish You Were Here” do Pink Floyd. Ainda tivemos música ao vivo: A banda de um amigo com muito rock nacional e internacional. E seleção musical, feita por mim, onde tinha É o tchan, Xuxa, Spice Girls, Shakira, Beyoncé, Funk, Carimbó e Guitarrada (estas últimas músicas típicas da região) e muitas outras. Ninguém ficou parado, nos divertimos muito e isso sim vale muito a pena.

Resumidamente foi isso.
O melhor, além de ter tantas pessoas queridas ali reunidas, foi ouvir os comentário dos amigos:
– “Tava linda a festa de vocês”
– “Adorei, super diferente, simples e lindo”
– “Aaaaahhh caaaara de vocês, não poderia ser diferente”
– “Parabéns que festa divertida, alto astral”

E agente respondia: “Foi tudo feito com muito amor!”

Ficha Técnica

Buffet, bolo e doces – Tereza e Suzy Reis | Bem casados – Hindra Miranda | Topo de bolo – Lih Arts | Música – Banda Fusão a Frio | Drinks – Performance Barman | Vestido – Dona Socorro | Fotos – Valter Miranda | Sapato da noiva – Melissa | Forminhas,Voilette e Lembrancinhas – DIY


Beijos!

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[176171]
[176171]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d