Casamento real e econômico - Luana e Danny - Casando Sem Grana
HISTÓRIAS REAIS

Casamento real e econômico – Luana e Danny

Eu entendo hoje em dia quem me diz que não tem habilidade e tempo para colocar a mão na massa no próprio casamento. Realmente vai muito tempo e dedicação para deixar tudo pronto, bonito e ajeitadinho da forma que sonhamos. Por isso até que muitas noivas saem por aí pesquisando loucamente fornecedores para tudo.

Mas sabe, mesmo com tudo isso, eu ainda admiro e prego por aí minha paixão pelo Faça você Mesmo. Pois é inevitável: Quanto mais se coloca a mão na massa, maiores são as chances de se conseguir um casamento que cabe dentro do seu bolso, pode ter certeza!

E no casamento LINDÍSSIMO de hoje não foi diferente: A Luana, lá de Florianópolis, arregaçou as mangas e foi para o combate. O resultado você confere agora junto com seu queixo, caído no chão…

***

“Sammia,

Há poucos meses do meu casamento, descobri seu blog. Juntando referencias dele e de outros blogs, consegui fazer o meu casamento sem grana.  Moro em Florianópolis e aqui as coisas para casamento são muito caras, a começar pelo espaço e pelo buffet. Conseguimos achar uma associação da Polícia onde se eu conhecesse um policial sairia de graça, mas… não conheciamos. Mesmo assim foi o mais barato. Seria um jantar para 100 pessoas, descontraído, feito a mão, com carinha de casa e um toque vintage. Os únicos serviços que contratei foram fotografia, buffet, doces e bolo, cerimonial e dj. Eu não tive decoradoraaaa! Resolvi fazer tudo sozinha: convite, arranjos, bouquet, topo de bolo e por aí vai. 

 

Eu e meu noivo fomos ao ceasa e pegamos varios caixotes. Meu pai pintou e eles acabaram virando o aparador da cerimonia e também foram aproveitados para acomodar objetos antigos no cantinho de fotos. Minha mãe fez os guardanapos em 3 estampas diferentes que casavam entre si. Meu porteiro me deu uma caixa cheia de molduras lindas que aproveitei tanto para as fotos, como para a decoração e pro mapa de mesas. Cada mesa tinha a palavra ‘amor’ em alguma língua, ao invés de um número.  Nossa identidade visual era toda baseada em um coração de origami, entao coloquei corações vermelhos nas mesas com um lencinho de papel dentro e uma etiqueta ‘lágrimas de alegria’. 

 

Aprendi sobre flores, escolhi as que eu queria e dispus nos vidros de conserva e afins que fiz minha família juntou por muitos meses.

 

A mesa de doces era pequena, comprei caixas de papel pardo, porta-retratos e peguei uns vidros de casa. Esses foram os suportes de doces. Uma amiga me emprestou o suporte para bolo e eu encomendei um bolo fake pequeno, sem pasta americana (!!!!). Meus noivinhos foram feitos de pote de corretivo.  O bouquet aprendi a fazer sozinha, um dia antes e modestia a parte, eu amei! Fiz pompons de papel de seda e colocamos espalhados no teto. Meu pai fez plaquinhas com frases e desenhos de noivinhos e espalhamos pelo local.

 

Não tive dia da noiva, me arrumei no hotel onde passariamos a noite de nupcias. Uma amiga se ofereceu para maquiar e fazer o cabelo meu, da minha mãe e da minha dama. O vestido, assim como a filmagem ganhei de presente, mandei fazer como eu queria. A sandália comprei uma melissa linda.

 

O porta aliança era uma bíblia que ornei com uma renda e fitas. As madrinhas todas foram de nude. Eu fiz as bouttonieres dos padrinhos com renda, botões e dois coraçoes de madeira.  A mesa dos noivos teve um trilho emprestado da tia, velas em vidros de geléia (a dos convidados, os vidros para velas foram comprados), um arranjo feito em um vidro antigo da família. Para dar um toque a mais, na parede atrás da mesa dos noivos e pais, colamos selinhos dourados, desses que se usa para fechar convites. Eles também foram espalhados pelas colunas do lugar.

 

Para a cerimonia, foram colocados coraçõezinhos pelo caminho onde passariamos. Fizemos o cantinho de fotos com bigodinhos e outras figuras em palitos para os convidados se divertirem. Nessa cantinho conseguimos malas vintage, radios, telefones, tudo bem antigo. A proposito, nossas lembrancinhas também foram os monóculos da Tânia!!
Nossos votos foram lidos e cada casal de padrinhos também fez votos para nós.  Dois amigos nos deram aula de bolero e fizemos uma coreografia. Outro amigo me ensinou a cantar e tocou violao enquanto eu cantei para meu noivo. 

 

Enfim, é possível casar sem grana, ter um casamento com a sua cara, onde os convidados se sintam a vontade, olhem e saibam que só podia ser seu. E com algum tempo, criatividade e alguns familiares também é possível decora-lo sem gastar quase nada!”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ficha Técnica
Fotografia – Ezequiel Medeiros | Monóculos – Eusoft | Decoração – DIY

 
 

Beijos!

[176171]
[176171]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d