Casamento real e econômico - Jamile e Fabrício - Casando Sem Grana
HISTÓRIAS REAIS

Casamento real e econômico – Jamile e Fabrício

TAQUI!

O post mais amado por vocês e o mais desejado por você que me envia emails pedindo dicas para casamentos com a temática: BOTECO!

Sim sim salabin. Jamile e Fabrício tem muita história para contar: Conheceram-se na época da escola e nunca mais suas vidas foram as mesmas. São tantas coisas boas e bonitas para contas sobre estes dois que eu prefiro que o relato deles fale apenas. Divirta-se 😉

***

“Olá Sammia!

Acompanho o blog desde abril desse ano, data que eu e o Fabrício decidimos oficializar nossa história, pois já morávamos juntos há três anos. E a conversa sobre o casamento foi assim “Fa, dia 05 de novembro caí num sábado esse ano, vamos casar?””Vamos!”

Daí então começou a pesquisa, conversa com amigas e minha mãe pra ver o que e como poderia ser feito! Tanto que a minha pasta de referências e documentos do casamento se chama “Casando sem Grana”.

Vocês surgiram na minha vida na primeira pesquisa no Santo Google! Eu e o Fa queríamos uma festa descontraída e que fosse a nossa cara (como nós somos freqüentadores assíduos de botecos).  A primeira dúvida era o cardápio: Queria uma festa diurna, no começo de tarde e isso precisava de almoço, e não tinha como só ter petiscos. Boteco, sábado… veio a idéia da feijoada! Mas feijoada em casamento?? Todo mundo que eu perguntei achou uma boa! E não era mesmo um casamento de princesa, então pude ousar! rs

Não posso dizer que gastei pouco, mas economizei muito!

Todas as coisas tinham um significado! A começar pelo espaço: Conversei com uma amiga muito querida que em sua casa tem um espaço para festas e ela de cara já me deu de presente!

Eu contratei o Buffet para 150 pessoas (foi o item mais pesado): 60 reais por pessoa por 6 horas de festa. Eles levam toda a estrutura do boteco para o local da festa: Comida (feijoada, bolinho de carne seca, pastel de queijo, caldinho de feijão, acepipes em geral), Doces (tortinha de limão e manjar de coco) Bebida (150 litros de chopp, caipirinha, refrigerante e água) e as mesas e cadeiras, louças, copos,guardanapos, rótulos das garrafas de enfeite da mesa, jogo americano, bolacha de chopp personalizado, tags de presença dos convites  e os garçons. Quando fechamos o contrato eles me deram o DJ de presente.

Com o espaço, comida e bebida garantidos, era a hora de ver os detalhes. Toda a arte da papelaria foi uma amiga quem fez. Centenas de emails trocados. E garanto, ficou tudo lindo.

O convite, tags dos convites e lembrancinhas e o sache do chá de boldo (dado para o dia seguinte dos convidados) foram impressos em uma gráfica em Mogi das Cruzes (o casamento foi em Poá), indicada por um casal de amigos. Outras coisinhas, como os lenços para as lágrimas de alegria (copiados aqui do blog :D), as tags das garrafinhas de enfeite das mesas e papéis para as mensagens, imprimi no meu trabalho e em casa. Comprei uma fita de cetim com nosso nome e um furador de coração e montamos todos os convites.

Não fiz questão de filmagem (detalhe: devia ter filmado a cerimônia), mas as fotos, tanto do ensaio quanto do casamento, consegui um preço amigo com a amiga fotógrafa que ainda me fez um carnezinho com suaves prestações. Detalhe do e-session: eu e o Fa nos conhecemos desde criança, nunca fomos amigos no passado. Nos reencontramos depois de 20 anos. E uma parte dele, foi na escola que estudamos! Foi lindo.

O lugar da festa não tinha um espaço reservado para a cerimônia e a amiga fotógrafa foi pra Salvador e trouxe um lindo Divino Espírito Santo que eu estava louca a procura de um num preço acessível!

Vi um vestido numa grife famosa aqui de São Paulo e o valor estava inacessível para o meu orçamento. Procurei uma costureira aqui perto de casa, levei fotos do meu e do vestido da daminha e ela topou fazer. Meu vestido foi de laise com forro de tafetá e o da daminha de renda e cetim, também com forro de tafetá. Fui à Rua Joli, no Brás, chamada de Rua das Costureiras, indicada pela minha. Gastei 60 reais no meu, e 90 no da daminha. A costureira cobrou R$200 pelos 2 vestidos. A roupa do pajem eu também comprei, R$49 numa loja popular: calça, camisa, suspensório e gravatinha. Conversei com as mães das crianças e elas ficaram responsáveis pelos sapatos das crianças. O Pedro, pajem mais lindo do universo, ainda usou um chapéu, assim como o Fa e os padrinhos, que compraram pela bagatela de R$15 cada um lá nas barraquinhas nas redondezas da Santa Efigênia.

A roupa do noivo custou R$150: colete numa loja famosa de departamento, calça e camisa de uma loja de roupas masculina. Meu brinco custou R$9,99 e a flor R$5,99 e nem foi na Rua 25 de Março, foi numa dessas redes de bijous em shoppings mesmo.

Uma amiga tem uma amiga que é maquiadora e cabeleireira e me cobrou R$80 pra fazer o teste e ir no dia. De quebra arrumou o cabelo da daminha.

O bolo foi minha mãe quem fez. Boleira de mão cheia! Bolo de nozes com doce de leite e cobertura de chantilly. Compramos o prato alto para o bolo alto. O topo de bolo também foi presente: Um casal de garrafinhas de cerveja! Os docinhos foram aqueles de pote de uma rede atacadista, com os copinhos, colherzinhas e baleiros comprados na querida 25 de Março. Detalhe: Compramos 800 copos e colherzinhas e minha mãe colou lacinhos em todos eles!

Os bem casados custaram R$1,30 cada um, daqueles trufa de chocolate branco! Delícia que ainda tenho no freezer… hehehe

Na 25 ainda, compramos os vasos de acrílico para o caminho da cerimônia, caixinhas para os banheiros, fitas para todas as coisas, toalhas (que foram bordadas pela minha mãe também) e saquinhos para as embalagens.

Meu buquê foi de origami, de uma linda artista de Campina Grande na Paraíba. Mas a grana não dava pra comprar os tsurus.

As lembrancinhas foram canecas de acrílico de um fornecedor justo de Santo André. Os porta garrafas de cerveja para os padrinhos, e os adesivos “Já dei pro Noivo” também são deles. As lembrancinhas das madrinhas foram canecas de cerâmica que é da fornecedora que faz os porta alianças de cerâmica lindões que já apareceram aqui no blog também.

Por falar nisso, procurei N coisas para o porta alianças e nada me agradava 100%. Foi então que num estalo encontrei a Bíblia da saudosamente amada Dona Amalia (mãe do Fa) e enchi de laçarotes e fitas e ficou liiiinda.

Tivemos a alegria de ter pessoas amadas ao nosso lado! Que nos ajudaram em tudo. Todas os detalhezinhos da festa tiveram a mão das minhas amigas queridas:Uma amiga comprou as louças, outra conseguiu um lugar pra encher as bexigas de coração para as crianças, outra me deu o esmalte lindo que eu usei no dia, outra comprou papel para fazer origami e todas ouviram todas as minhas lamentações e neuroses de noiva maluca! E mesmo assim continuam me amando!

E além de todas as coisas lindas que aconteceram ganhamos uma viagem de 5 lindos dias para Salvador. Por que não íamos viajar, planejei tudo menos a viagem (a grana acabou…rs). Eles nos enganaram o tempo todo, oferecendo uma casa da família de uma das meninas em Caraguá!

 Eu digo que eu sempre soube que éramos queridos, mas depois desse casamento… Nós só temos gente mais que do bem do nosso lado! Pois a festa foi um sucesso, cheia de alegria.  O tempo estava lindo e cada pessoa levou seu coração aberto cheio de amor para enfeitar ainda mais nosso dia!

 

Se alguém quiser saber algum detalhe, ou o contato de algum fornecedor meu email é jamilerodrigues@gmail.com

 

Eu só tenho a agradecer a vocês do blog que me ajudaram mesmo sem saber! E dizer que vocês tem uma leitora fiel!

Beijão

Jamile”

 

 

Ficha Ténica

Fotografia: Nane Ferreira | Buffet: Du’ Cheff | Bouquet: Papel em Flor

 

 

Beijos! 

[176171]
[176171]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d