Casamentos HISTÓRIAS REAIS RIO DE JANEIRO Sudeste

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Em menos de 6 meses Quivia e Hugo conseguiram organizar esse casamento super econômico para 100 pessoas gastando apenas 6K. Eles queriam casar na praia, mas no final resolveram fazer o casório em casa e ficou tudo lindo do jeito que eles queriam.

Vem ler!

“Estou mandando meu relato por que visitei muito esse blog para me inspirar e acho importante relatar como foi meu casamento e colaborar para que as pessoas consigam realizar seu sonho e fazer seu casamento sem muita grana mesmo.

Nunca fui uma mulher q sonhasse em casar, mas esse era o sonho do meu marido e pensei: por que não realizar o sonho dele?!
Fomos meio inconsequentes em preparar uma festa em menos de 6 meses, totalmente descapitalizados, e em ritmo de mudança (havíamos decidido alugar nossa casa e ir para um apartamento menor). Mas desafio é meu nome, então mãos a obra.

Inicialmente queríamos que fosse na praia, em Maricá, porque tinha algo a ver com nossa história, depois avaliamos que nossa família teria problemas em ir por conta de transporte e hospedagem, então decidimos fazer no RJ mesmo.
Eu quase surtei, porque a cada semana via um lugar diferente e quando finalmente decidimos em um quiosque no recreio outro drama se abateu sobre mim: a comida, queríamos churrasco, mas na praia não podia, tinha que ser um buffet e era tudo muito caro, não cabia em nosso orçamento. Finalmente faltando dois meses para o casório, descobrimos que o rapaz que iria alugar nossa casa desistiu. Aí o Hugo prontamente falou: VAMOS CASAR EM CASA! Ele já estava tenso com o fato de ser na praia, em local aberto e com o problema da arrumação, pois sempre soubemos que queríamos a festa de dia, e não poderíamos arrumar nada no dia anterior.
Batemos o martelo quanto ao local (nossa casa) e optamos pelo churrasco (mais simples, informal, todo mundo gosta, apesar de algumas pessoas acharem cafona, eu adoro).
Nossa ideia sempre foi fazer algo informal mas com classe, queríamos uma festa onde as pessoas não ficassem sentadas esperando o garçom e vendo as coisas acontecerem.
Quando optamos pela festa em casa tínhamos o problema do quintal não caber as 80 pessoas que queríamos convidar, por conta da piscina, que ocupa um espaço significativo na nossa área. Aí resolvemos cobrir a piscina. Foi uma pesquisa árdua e intensa achar um fornecedor com trabalho de qualidade e preço compatível. Conseguimos, ficou fantástico! E ainda conseguimos ampliar nossa lista para 100 convidados.
Liguei pra síndica do meu condomínio e perguntei se poderia realizar a cerimônia na praça do condomínio ela não se opôs e assim tínhamos os locais.
O Hugo fez o convite no computador, imprimimos a foto e após muitas pesquisas eu comprei envelopes e fizemos em casa com palha e sempre viva (manipular as sempre vivas foi o mais trabalhoso).
Uma amiga do Hugo que adora decoração de festas e faz esse serviço de vez em quando, me ajudou com as ideias, me dando as diretrizes e dizendo o que eu precisaria. Como ela não cobrou, achei justo eu meter a mão na massa e correr atras da coisas. Também fiz muita, mas muita pesquisa na internet.

Para a decoração fiz uma mobilização geral da família em arrumar garrafas de cerveja, vinho e potes de milho, palmito, ervilha, tudo.
Comprei juta, renda, uma pistola de cola quente e comecei a usar minha criatividade (não sou nada criativa, mas a inspiração surge, acreditem).
Minha única madrinha de casamento sempre gostou dessas coisas de artesanato e me ajudou nesse lance da criatividade.
Fui em diversas feiras de casamento e não achei nada para mim, NADA, nem inspiração.
Decidimos dar um pulo no Saara e olhar as coisas, descobrimos que meu arranjo da cabeça e meu buquê seria feito pela minha madrinha e com flores artificiais. Fomos até a Praça 2 e compramos as flores por um preço ótimo. Ela fez uma experiência que de tão linda, já virou definitiva (gastamos R$ 50).

Ganhamos o bolo e os doces da amiga da minha sogra (que trabalha com isso e são amigas há mais de 20 anos), comprei as forminhas e papéis de bem-casado.
Decidimos pagar o churrasqueiro e garçom ao invés de contratar o serviço de comida completo (ele já havia feito churrasco para a gente antes, não desperdiça e faz tudo muito bem feito). Seria muito mais econômico, ele nos deu a lista de material e lá fomos nós ao supermercado. Claro que fomos no dia da promoção da carne e da cerveja.
Meu vestido foi achado numa liquidação de shopping (R$ 80), mas eu não queria um vestido tradicional e no fim ele arrasou, ainda posso usar no próximo réveillon.
A mesa de pallets eu consegui com um vizinho que tem comércio e joga isso fora. Joga fora (imaginem).
Os caixotes, só pedir ou comprar na feira. Paguei R$ 0,50 em cada e dei 3 viagens para trasportar.
O resto a gente pega com a família emprestado.
As flores comprei 1 dia antes na CADEG, saí de casa as 5 da manhã pra conseguir um preço justo e no fim gastei R$ 130 em flores.
Achamos que brindes eram desnecessários, não tínhamos grana pra isso. Mas como era em ambiente aberto e meio mato, colocamos repelente em vidrinhos e acreditem, as garrafas velhas de cerveja, vinho e os repelentes viraram os brindes.
Tudo foi feito e produzido com a ajuda dos amigos mais próximos, é claro!
A comida deixei por conta da família mesmo: Minha tia fez a farofa, minha mãe o arroz, minha madrinha a salada, minha sogra a torta salgada, uma amiga fez o feijão tropeiro e no dia contei com ajuda de uns 10 amigos (as) para a arrumação toda.

Dia da noiva: acho bobagem e não se ofendam as que sonham com esse dia, mas para mim é pagar a mais por um serviço desnecessário. Fui no salão que frequento no dia anterior fazer as unhas e depilação, e no dia do casamento voltei lá para fazer o cabelo, ainda ganhei o cabelo do meu cabeleireiro (pedi mesmo, como presente de casamento e ele nem pestanejou, ainda disse: Claro que te dou!) . A make um amigo fez em casa pra mim.

As mesas e cadeiras foram alugadas com toalhas e coloquei a juta em cima pra dar um charme e dialogar com a festa.
A iluminação também foi de graça: um amigo colocou.
Para as fotos chamei uma amiga que confio e me cobrou um preço dentro de minhas expectativas.
E o DJ (sim, sobrou grana para o DJ) foi um amigo nosso q fez um preço bem legal.

Gente não é vergonha nenhuma você pedir favores ou descontos as pessoas que são próximas ou de fornecedores que você sempre paga, a família e os amigos vão ficar muito felizes em ajudar, isso torna o momento mais especial com carinho e esforço de todos. Não digo que o meu casamento foi o mais bonito, mas o resultado ficou perfeito, uma festa linda, simples (há quem diga que não ficou nada simples), tudo feito com muito cuidado. Cada centavo que eu consegui de desconto ou de coisas que consegui de presente valeram a pena. Ah, e os noivos podem ajudar em tudo, o meu subiu nas escadas para decorar a árvore, lixou os paletes da mesa, colocou a iluminação, enfim, o trabalho em equipe tem que ter.

Ah, esqueci de comentar que para conseguirmos realizar a lua de mel, fizemos um site para arrecadação dos valores em cotas. Ainda passamos a gravata no dia da festa e no fim, arrecadamos o suficiente para ficarmos 5 dias em Gramado e sem gastar nada.

Para quem acha impossível gastar menos de 10 mil, não é. Com tudo incluído gastamos 6 mil reais.”

Beijos!

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

Casamento real e econômico | Quivia e Hugo

 

Fornecedores

Mesas e cadeiras: Ademir (21) 96780-1760 | Fotografia: Paula Albuquerque | Buquê e Coroa de Flores: Bella Portila | Decoração: Francine Araujo | Churrasco e Garçons: Anderson barmanfogo@gmail.com | Iluminação: David Israel | Vestido da noiva: Luz e Sombra | Topo do Bolo: Noivinhos by Raquel Cruz | Bolos e Doces: Luciana (21) 99831-4718


[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d