Casamento real e econômico | Lívia e Dener - Casando Sem Grana
HISTÓRIAS REAIS RIO DE JANEIRO

Casamento real e econômico | Lívia e Dener

“Casar em Volta Redonda é caro!”

Ah…como eu escuto isso…

E se eu te contasse a história de uma noiva que teve duas festas de casamento (eu disse: DUAS FESTAS de casamento) em dias diferentes e ainda assim gastou menos de R$ 7 mil. Você acreditaria em mim?

Você acreditaria que muito do que se faz impossível a nossa frente muitas vezes vem dos nossos medos e preconceitos e que quando colocamos o foco no amor, humildade, simplicidade e no verdadeiro sentido de casar  – unir dois em um e não “uma festa” – nós conseguimos alcançar um pouco do impossível?

Essa é a história da Lívia. Inspire-se em seu casamento e realize você também o seu sonho.

“Quando decidimos nos casar, há uns dois anos, definimos que não gostaríamos de uma “festa” nos moldes tradicionais. Queríamos, sim, uma celebração simples na presença de nossos familiares e amigos, mas não tínhamos ideia de como fazer isso de forma prática e barata (foi aí que o CSG entrou na história e virou nossa tábua de salvação!). Os primeiros orçamentos que fizemos junto aos buffets da cidade em que moramos ficaram absurdamente caros (caros em nossa avaliação, é claro). Isso sem falar que a ideia de uma cerimônia num salão de festas fugia completamente do que tínhamos em mente: algo simples, bem família, com a nossa cara.

Depois de muito pensar, decidimos fazer uma recepção em algum restaurante bacaninha. Foi uma decepção: de todos os que procuramos, nenhum se deu ao trabalho de nos dar um retorno. Também foi desagradável notar como a falta de profissionalismo de alguns fornecedores de Volta Redonda – os mais conhecidos e ditos “conceituados” – é gritante!

Desanimados, estávamos prestes a fechar contrato com um buffet que nos cobraria um pouco mais barato pela festa ( a essa altura já estávamos de saco cheio de procurar locais e fazer orçamentos), mas ainda assim o valor ficaria muito além do que pretendíamos gastar. Isso sem falar que acabaria sendo uma cerimônia que não teria absolutamente nada a ver com a gente.

Foi então que o noivo, num lampejo, se lembrou de um restaurante mineiro que nossa família costuma frequentar. Sem eu saber, ligou pra lá, explicou a situação e – surpresa! – eles toparam reservar uma parte do restaurante para que pudéssemos receber nossos familiares e fazer uma cerimônia simples, seguida de um farto almoço mineiro (o que foi ótimo, pois somos dois apaixonados por Minas Gerais),  com direito aos tradicionais doces caseiros como sobremesa! Melhor: o valor por pessoa ficou menos de R$ 30 e incluía, além de água e refrigerante, cerveja e batidinhas de côco e pêssego.

A Ângela, gerente do restaurante, foi uma linda! Super atenciosa, simpática, profissional pra caramba, cuidou de todos os detalhes. Outro ‘anjo’ foi a Ângela Martins, designer floral que me surpreendeu ao fazer uma decoração que acabou ficando muito mais linda do que a que eu tinha idealizado!  Foi ela, aliás, quem me indicou a Cida, boleira de mão cheia que fez um bolo LINDO por um preço super bacana. Ah, e detalhe: nada de bolo fake ou pasta americana! Eu queria um bolo gostoso, que ficasse na memória e foi exatamente isso o que a Cida nos proporcionou. Os bem-casados, deliciosos, foram presente da tia do maridón – outra cozinheira de mão cheia!

Eu também não queria um álbum fotográfico tradicional, pois me irritava a ideia de ter que ficar o casamento inteiro posando para fotos. Então, chamei o Gabriel – fotógrafo talentoso e jornalista como eu –, que sacou bem o que eu queria: fotos espontâneas e sinceras. Ele teve a percepção necessária para captar os momentos importantes! A maquiagem e o cabelo foram obra do Leo, que conseguiu a proeza de me deixar relaxada antes da cerimônia!

Só que ainda havia um “porém”: eu e o agora marido somos umbandistas e não poderíamos jamais abrir mão de selar nossa união no terreiro em que trabalhamos.  Aí você pode perguntar: por que não fazer uma cerimônia só, no terreiro? Bom, o “problema” é que minha família é protestante, e seria muito… digamos… complicado levar todos ao local da cerimônia (meu avô é pastor, imagina a situação…) e explicar que Umbanda não é coisa do demônio, como muita gente pensa.

Graças a Deus, meus pais são pessoas esclarecidas e respeitam minha opção religiosa. Por isso, concordaram em ajudar a fazer a cerimônia também na Umbanda e, melhor de tudo, compareceram! Conheço casos de pais que, de tão intolerantes, se recusariam a participar de uma cerimônia umbandista. Por isso, sou muito grata a Deus pela família que tenho.

O centro é muito simples, humilde, mas ficou lindo! Fizemos um mutirão, do qual nossos irmãos de fé participaram, para limpar o terreno, pintar o muro e deixar tudo bem bonito para o dia da festa!

Inspirada no casamento dos meus pais – que teve uma recepção simples no salão da igreja, com bolo de frutas, salgadinhos e refrigerante –, encomendei uma torta de frutas com decoração similar ao bolo do casamento da minha mãe (torta maravilhosa da Cida, todo mundo elogiou!), salgadinhos diversos e comprei refrigerantes. Uma amiga se ofereceu para fazer os brigadeiros – teve até de limão siciliano! – e só precisei comprar o material. Aluguei um freezer e mais algumas cadeiras, comprei flores para enfeitar o altar e a mesa do bolo. Usamos tochas para iluminar e pétalas de rosas para fazer o caminho até o local onde, finalmente, dissemos “sim”. Contratei duas pessoas para ajudar a servir e foi muito tranquilo! Os dois buquês e a coroa de flores que usei saíram, juntos, por R$ 160,00.

As fotos da cerimônia umbandista foram feitas pela minha irmã do meio e por duas amigas muito queridas, a Andresa e a Raquel.  A maquiagem e o cabelo eu mesma fiz.

Na cerimônia religiosa, dois amigos se encarregaram de cantar os pontos (música ritualística de nossa religião) relacionados à ocasião. Na cerimônia familiar, no restaurante os padrinhos, também músicos, tocaram e cantaram “Pra sonhar”, do Marcelo Jeneci, enquanto eu entrava de braços dados com meu pai. Ah, e olha que delícia: com padrinhos músicos, é claro que a festa terminou em cantoria!

Eu não poderia deixar de agradecer muito à Marciana, a hiper talentosa e recomendadíssima que desenhou e costurou meus dois vestidos de noiva – cada um mais lindo que o outro – com muito carinho, capricho e dedicação! São verdadeiras obras de arte!

Gastamos cerca de R$ 6,5 mil em duas cerimônias lindas, emocionantes e, melhor ainda, com a nossa cara, o nosso jeitinho, exatamente como sempre sonhamos! Ah, as cerimônias aconteceram nos dias 20 e 22 de setembro de 2012.

O Casando Sem Grana foi o maior responsável por isso! Obrigada!!!! <3″

casamento-real-e-economico (3)

casamento-real-e-economico (1)

casamento-real-e-economico (2)

casamento-real-economico

Lívia & Dener (10)

Lívia & Dener (44)

Lívia & Dener (37)

Lívia & Dener (40)

Lívia & Dener (14)

Lívia & Dener (65)

Lívia & Dener (82)

Lívia & Dener (92)

Lívia & Dener (102)

Lívia & Dener (110)

Lívia & Dener (117)

Lívia & Dener (118)

Lívia & Dener (133)

Lívia & Dener (280)

3

Lívia & Dener (293)

 

Fornecedores

Vestido de Noiva – Marciana em Conto de Noivas – Telefone: (24) 3337-6952 | Decoração – Ângela Martins (designer floral) – Telefones: (24) 8807.7181 e  9994.1522 | Restaurante – Restaurante Mineirinho – Telefone: (24) 3339-8336 | Maquiagem – Leo Loppez Hairdress – Telefone: (24) 3337-5916 | Fotografia – Gabriel Borges Fotografia – E-mail: gbbrc@hotmail.com – Telefone: (24)  8828-6182 | Bolo – Cida Bolos – Email: cida_portilho@hotmail.com – Telefone: (24) 3342-1476 | Buquês e grinalda de flores naturais – Fazendinha Flores – Telefone: (24) 3342-2954

 

Beijos!

[176171]
[176171]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d