Viagens, sonhos, brincadeiras… tudo isto faz parte da infância e, por certo, todos nós temos muitas memórias do tempo em que, sendo crianças, aproveitávamos o melhor do nosso quotidiano.
Hoje em dia, ser criança é muito diferente do que era há algumas décadas atrás. Cada vez mais, as lógicas do mundo digital e as tendências  tecnológicas alteram a perceção dos mais pequenos e mudam as suas dinâmicas de vida. Torna-se muito interessante recordar a forma como encarávamos a vida há algumas décadas atras, e como hoje as crianças percepcionam a mesma realidade, com olhos toldados pelas novas dinâmicas do tempo.


Neste artigo, olharemos alguns aspetos que mudaram e para os quais os adultos olham, ainda hoje, com algum saudosismo.


Diferenças em relação aos brinquedos
A questão dos brinquedos terá sido, provavelmente, uma das que mais se alterou com a entrada da tecnologia na vida quotidiana dos mais pequenos.

Quem não gosta de relembrar os brinquedos populares da sua infância? Todos temos essa saudade do tempo em que o Tetris e o TCR nos enchia os dias de sonhos e novidade. Hoje, os mais incríveis jogos tecnológicos são o maior apelo das crianças que, através dos dispositivos móveis e consolas se perdem nas horas com brincadeiras digitais.

Assim, as próprias brincadeiras foram alteradas pelas lógicas do nosso século, começando a libertar-se dos jogos tradicionais que ainda trazemos na memória e ancorando-se nas opções mais recentes que a tecnologia traz até nós.


Diferenças em relação às viagens
A forma como os mais pequenos (e também os mais velhos) encaram as viagens foi outra das grandes mudanças do século XXI. Com uma maior facilidade de deslocação e com muito mais informação sobre os locais a visitar, as crianças parecem conhecer melhor e desejar de forma mais intensa determinados destinos de viagem.


Se, antigamente, o que importava mais, nestas viagens de infância, era conhecer novas culturas ou os monumentos mais badalados do mundo, hoje importa o lazer, a diversão e, claro, as boas fotografias para as redes sociais. O desejo de se enquadrar socialmente dentro destas redes está com uma tendência cada vez mais abrangente, sendo que as crianças começam, desde cedo, a querer alcançar um destaque no seio das mesmas.

Assim, no momento de descrever as suas viagens, é comum que as próprias crianças queiram recorrer ao meio tecnológico para mostrarem os momentos que mais as marcaram através das suas fotografias favoritas.
A diferença nos sonhos Se nos dissessem, em crianças, que os nossos filhos e netos iam ter sonhos tão distintos dos nossos, talvez não acreditássemos.
Muitos de nós ainda somos do tempo em que o sonho de ser médico, astronauta ou bailarina pintava os nossos dias com desejos para o futuro.
Hoje, não é incomum que uma criança diga que quer ser informática, que quer trabalhar em robótica ou que demonstre entusiasmo pela ideia de se tornar youtuber, instagramer e outros. Uma mudança que, claramente, é promovida e alicerçada pelas novas lógicas da tecnologia e que altera por completo o discurso sonhador dos mais pequenos.


E para os adultos?
Com adultos é fácil decifrar que o acesso às facilidades também está no nosso dia a dia constantemente, mesmo não tendo um computador em casa, por exemplo. Antes se assistíamos a um jogo inteiro pra saber de uma partida de futebol, hoje só vemos tudo o que houve no YouTube ou em sites especializados. Se antes era necessário ir a uma casa de jogos para apostar nesses times, em vários países elas estão se extinguindo graças a aplicativos como o NetBet, que hoje patrocina times brasileiros de futebol.


Listas telefônicas, ligar para parentes, livro de receitas? Esquece. Hoje temos Google, Whatsapp e sites especializados. Para adultos é tudo uma questão de facilidade, acima de tudo. Afinal, como seriam seus estudos ou “aquele trabalho” se você não tivesse um celular ou computador ao seu alcance, não é mesmo?